RECOMEÇO DA HISTÓRIA


Caminhando na direção contrária, reaprendendo a andar,

Chutando o destino a esmo, escoando planos desvairados,

Aprendendo que o sol brilha, mas só quando não há nuvens densas,

Alegorias deixadas no chão da avenida toda imunda,

Palavras de baixo calão, calando o usurpador de planos e ideias.

A caricatura estampada no jornal velho em cima da mesa,

Representa nossa dor que escancara o escarro da derrota,

Que publicamente veio me mostrar que a vida é uma anedota,

E que fazemos parte do mesmo circo desde que nascemos.

De trás pra frente tenho que resistir aos encantos da sereia,

Que mesmo nadando no rio poluído e fétido é capaz de envolver,

E ao ouvir o seu canto, os marinheiros de primeira viajem enlouquecem,

E se jogam nos braços oportunistas das putas que por ali vagam.

As vicissitudes da vida ordeira implantam na mente o descaso,

Reluzindo ainda mais a necessidade de partir em busca do nada,

Querendo assim antecipar o massacre das ignorâncias,

Esperando a história recomeçar.


Destaque
Tags
Nenhum tag.
  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Google+ B&W